Artigos

Sim Podemos, Planejamento Familiar!

Planejamento Familiar

Assegurado pela Constituição Federal e também pela Lei n° 9.263, de 1996, o planejamento familiar é um conjunto de ações que auxiliam as pessoas que pretendem ter filhos e também quem prefere adiar o crescimento da família.

Além de prevenir a gravidez não planejada, as gestações de alto risco e a promoção de maior intervalo entre os partos, o planejamento familiar proporciona maior qualidade de vida ao casal, que tem somente o número de filhos que planejou

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), os programas de planejamento familiar foram responsáveis pela diminuição de um terço da fecundidade mundial, entre os anos de 1972 e 1994.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que 120 milhões de mulheres no mundo desejam evitar a gravidez. Apesar disso, nem elas nem seus parceiros usam métodos contraceptivos.

No Brasil, a Política Nacional de Planejamento Familiar foi criada em 2007. Ela inclui oferta de oito métodos contraceptivos gratuitos e também a venda de anticoncepcionais a preços reduzidos na rede Farmácia Popular.

Toda mulher em idade fértil (de 10 a 49 anos de idade) tem acesso aos anticoncepcionais nas Unidades Básicas de Saúde, mas em muitos casos precisa comparecer a uma consulta prévia com profissionais de saúde. A escolha da metodologia mais adequada deverá ser feita pela paciente, após entender os prós e contras de cada um dos métodos.

Controlar a fertilidade é o primeiro passo para planejar o momento mais adequado para ter filhos. A Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher (PNDS), feita em 2006, financiada pelo Ministério da Saúde, revelou que 46% das gravidezes não são planejadas.

A PNDS mostrou também que 80% das mulheres usam de algum método para evitar a gravidez. A pílula anticoncepcional e o Dispositivo Intrauterino (DIU) são os mais usados pelas brasileiras.

Graças à política de distribuição de meios anticonceptivos, houve diminuição no número de gravidezes indesejadas. Esse fator pode ter contribuído com a queda nos índices de abortos inseguros e, consequentemente, na mortalidade materna, indica estudo do Ministério da Saúde.

A ampliação do acesso aos métodos contraceptivos na rede pública e nas drogarias conveniadas do programa “Aqui Tem Farmácia Popular” trouxe outro resultado positivo: a incidência de gravidez na adolescência (de 10 a 19 anos de idade) diminuiu 20% entre 2003 e 2009.

As ações educativas do Programa Saúde na Escola (PSE), criado em 2008, também apoiou a redução no número de adolescentes grávidas. Entre outras atividades, o programa distribuiu preservativos para cerca de dez mil instituições de ensino, beneficiando 8,4 milhões de alunos de 608 municípios.

Nós do artido Nacional Corinthiano, lutaremos para que esta seja uma das maiores ações do Ministério da Saúde, pois ela já existem,a visita regular de médicos nas escolas trazendo palestras para mães e adolescentes incentivando o planejamento e mostrando também os novos anticoncepcionais, principalmente o Implante contraceptivo ,que dura em media de três anos.

Sua principal vantagem é a alta eficácia. O implante tem inserção rápida e simples e não requer visitas ao médico e exames ginecológicos periódicos para garantir sua eficácia. Considerando os outros métodos (pílulas, adesivo, injetáveis e anel vaginal), de forma geral, os contraceptivos de longa ação também apresentam a grande vantagem de não exigirem um esforço contínuo da mulher para funcionar. Como os demais métodos com hormônio, pode reduzir a cólica menstrual. Resumindo, combinam alta eficácia, com reversibilidade (assim que retiramos já podemos engravidar) e longa duração.

Divulgue ideias que realmente são diferentes;

PNC

JUNTOS SOMOS FORTES

Previous post

Inauguração de mais um Stand para a coleta de assinaturas em Ubatuba - SP.

Next post

Vamos voltar a sentir orgulho de ser marfinenses!

PNC

PNC